https://sodecristo.org.br/hejme/wp-content/uploads/2019/06/aquele_espera_novo_site-300x201.jpgUma língua fraterna, de união; língua que traz em si a força, o magnetismo saudável; impressiona e cativa criaturas humanas que anseiam por um Mundo melhor, por uma vivência pacífica entre os povos de línguas e etnias várias. Uma multidão de almas encarnadas, um outro tanto de Espíritos livres no Invisível, ambicionam-se tê-la nos relacionamentos entre nações, como veículo apropriado na demolição de barreiras milenares que interpõe aos meios de edificar a Paz.

Notáveis organizações de feições caritativas, religiosas ou filosóficas, têm-na instituído em suas tarefas humanitárias, como única no entendimento e compreensão entre outras gentes. Os esforços que empreendem na aplicação dessa linguagem simples, mas que reivindica muito preparo, organização conjunta e determinação, foram suscitados pela certeza de que, intuitivamente pressentir ser a única ferramenta para se relacionarem sem embaraços entre comunidades de naturezas diversas exercendo-a de irmão para irmão.

No Coração do mundo, designado a ser a fonte de onde emanam forças libertadoras dos entraves do preconceito: o Evangelho de Jesus, se encontra servido de respeitáveis entidades na propagação de benignas ações, mas a radial força que auxilia no intercâmbio do conhecimento que eleva o homem aos verdadeiros sentimentos de irmandade, ainda permanece no estado de latência.

O Esperanto, conexão magnética, interliga os povos por forças afins: a Liberdade, Fraternidade e Igualdade; interfere em todas as línguas tão só para veicular o Amor do Cristo entre Nações, nesta imensa rede, nos convidando a ter uns para com os outros, a compreensão na diversidade.

Variados recursos somos servidos por Deus, para exercermos o papel de colaboradores na tarefa de facilitar nosso adiantamento espiritual. O Esperanto é o instrumento que nos facilita bastante relacionarmos a nível Global pelos laços de amizades, de igual para igual, livres dos entraves exclusivistas, herança nossa; lutar bravamente para extirpar esse mal que nos coloca acomodados ante uma ocupação providencialmente Divina.

Toda e qualquer tarefa de ordem Celeste tem seu momento preciso para iniciar a missão a que foi destinado na Terra, e o Instrumento de natureza altruísta no Mundo, entregue a nós pelas mãos de um nobre Espírito comprometido com a Paz do Cristo, Luiz Lazaro Zamenhof, o Esperanto, caminha estável, incólume, sob a guarda e o zelo dos “Samideanoj” há mais de um século, cônscios de que as Nações, em breve estarão se beneficiando deste elo unificador.

Sob a anuência de Jesus, entidades espirituais têm-nos concitados a expandir os meios de vulgarizar o Esperanto, em regime iminente numa regularidade constante para que as gerações subsequentes, mormente a Família Espírita, precavidas da importância desta ponte entre os Povos, o tenham como natural em seus núcleos, dispostos a servir nos relacionamentos além-fronteiras; física, espiritual e moral!

Essa tarefa gigantesca definitivamente não será em estilo renascentista, necessário é, todos por todos e para todos a se empenharem no conhecimento e no aprendizado da Língua Fraternal, para isso teremos que ser motivados por concretos recursos instigadores de ações conjuntas; será a menina dos olhos de cada Instituição que tem sua força voltada para os conhecimentos dignificantes e anseia transportá-los aos corações distantes.

Por uma questão de justiça evangélica, hoje, com bastante conhecimento, entendemos que faltamos com a caridade, agindo com sandice, levando para outras plagas, os ensinos do Cristo impondo a nossa língua ou utilizando de outra, estranha a todos. Aprendamos a língua de cada povo a quem vamos interagir ou, usamos o Esperanto, língua solidária, sentimento único, ternura em cada coração.

Força maior é a Coletividade Espírita no empenho de alocar o Esperanto ao seu propósito excepcional: o Mundo, sua Nação; a Humanidade, seu povo; os ensinos do Cristo, seu objetivo; a Paz, sua meta.

Para quem recebeu o recado do Senhor da vinha, em mãos, devemos agir com atilamento, empenhando esforços de estabelecer o instrumento comunicador divino nas ações diária de cada comunidade para um relacionamento absoluto, veiculando os ensinos do Seu Evangelho, que beneficiará a todos; fraternidade mútua, cidadania plena.