A humanidade cristã, tem interpretado a famosa história do primeiro homem, Adão, como sendo crédito a Moisés. Contudo trata-se de um costume do povo hebreu na busca de suas origens em remanescentes narrativas de que seus ancestrais se localizavam a um passado longínquo.

A Ciência Espírita registra o tempo em que Adão existiu, cerca de quatro mil anos antes da visita de Jesus em nosso meio, afirmando não ser ele nem o primeiro e nem o único a povoar a terra.

Entende-se que, os Hebreus já se consideravam como sendo descendente de Adão, como família, em um passado distante, tendo-o como o primeiro Patriarca, que se tinha notícia; atravessando gerações.

Na época em que viveu o condutor deste povo, já se contava com dois mil e oitocentos anos dessa herança.

Uma tradição que vence o tempo, adaptada aos princípios de manter unida a família Hebraica. Sua descendência contada, remontando a um povo heroico de sua raça, pelas suas ações, mesmo se em certas fases, no tempo e no espaço, um e outro historiador seguia rumos diversos, supondo ou intencionando aditar uma linhagem que mais realçava aos atos e às bravuras descendentes; muito natural.

Desde os primórdios de sua raça, monoteísta, envolvido firmemente na realidade de um Deus, único, a reinar na proteção e guarda de seu povo, como uma só família, tinha a sua tradição gerada na descendência de homens que em seus feitos honraram e protegeram as gerações de cada época. Um Conceito predominante, todos eles ser uma só família, daí a tradição, os patriarcas, homens capacitados na proteção e direção; gerir prosperidade considerando todos.

Moisés, Espírito missionário, revelou o surgimento da Terra, as etapas cronológicas; da flora, da fauna e do homem. Tinha consciência dos espíritos, imagens e semelhanças, que precisariam passar pela encarnaçãoESE; sabia quais os motivos, sabia que todos nós somos esses espíritos, prosperar e povoar a terra, porém ligando-os ao seu povo.

Mesclar os fatos de tudo que percebeu sobre o mundo invisível de onde Jesus enviou as almas que enterraram os talentosMt, guardaram as minasLc, até chegar em Adão, o primeiro homem nos costumes de sua raça, até então tendo como limite alcançado, na busca de suas origens; Moisés remodelou-o ligando a Deus.

Esse grande Espírito, legislador e profeta, introduziu o pecado original, uma revelação divina, para a humanidade de Jesus na Terra, se reconhecer herdeira desta tradição, heroica para os Judeus, que entenderam ser sua família vinda das moradas celestes, de Deus, que eles nunca deixaram de honrar, resignando a tantos sofrimentos.

Moisés, junto aos seus Irmãos cansados, sofridos, perdidos nos mais variados conceitos de uma vivência, meio à adorações pagãs, num regime dominador, violento; tinha em sua grande alma, sentimentos de nobreza, consideração para com seu povo; sentia-se numa espécie de intuição e confiança, ligações profundas, que percebia pelas suas faculdades mediúnicas, mais precisamente, talvez desconhecida de muitos, da de perceber acontecimentos distantes no tempo e no espaço, remotamente acontecidos, vivenciados por ele na psicometria, ser o seu povo a real descendência, almas condenadas a viverem, na terra, expulsos do paraíso; Mundo Espiritual.

Hoje, se reforçarmos nossas atenções nos estudos, vamos perceber que naquele tempo, a nação foi agraciada pela paternidade divina revelada por Moisés, acreditando ser o início de sua raça, única que veio de Deus; a formação de seu povo que prosperou nos milênios seguintes: motivo este o de ter encontrado povoados naquela região.

Os conhecimentos de Moisés, de que as almas que vieram do mundo espiritual de onde estávamos, já em sono profundo, preparadas para serem espalhadas pela terra conforme o Livro dos EspíritosOLE, sabia que um dia seria esclarecido e que os atos que ele fez representar, na figura de Adão, Eva e seus filhos, tendo por base a natureza característica do ser humano naqueles tempos: a vaidade, o orgulho, a desobediência, os assassínios.

Muitos, com mais razão, consideram Adão um mito ou uma alegoria que personifica as primeiras idades do mundo” – Allan Kardec, com esses dizeres conclui, depois de muitas considerações sobre o tema, em O Livro dos Espíritos, ser de origem racional e afirma: “…desde que se achem vestígios da existência do homem antes da grande catástrofe, provado ficará, ou que Adão não foi o primeiro homem, ou que a sua criação se perde na noite dos tempos…”

Verdadeiramente, a raça adâmica, a humanidade do Cristo, chegou para ocupar a terra há quinze milhões de séculos, idade afirmada por André Luiz em Evolução em Dois MundoEDM.

A Era Espírita, do Espírito da Verdade, enviado por Jesus, traz muitos esclarecimentos, dando-nos meios de percebermos o espírito e vida nas letras das escrituras, profecias e simbolismos, verdades ocultas para serem entendidas e vivenciadas pela humanidade, mais esclarecida, numa compreensão holística somada à Ciência Humana; sincronia perfeita.

Entendemos ser Moisés o primeiro a revelar a  necessidade de passarmos pela natureza humanaESE, como forma de eliminarmos justamente as imperfeições remanentes em nossas almas por não termos possibilidades e nem capacidade de as eliminarmos no Espaço; morada definitiva.